Santos e Santas de Deus

 

Nesta página

Santo André Apóstolo, São Leão Magno, Santa Isabel da Hungria
Santa Cecília, São Jerônimo, São Vicente de Paulo
São Cosme e Damião, São Matheus, apóstolo
São João Crisóstomo, São Gregório, O Magno
São Francisco de Assis, São Tomé
e Padre Pio de Pietrelcina

Na página 2
Visitação de Nossa Senhora, São Matias, São Tiago

São Felipe, São José, Arcanjo Gabriel, Arcanjo Miguel
Arcanjo Rafael, Santa Terezinha do Menino Jesus
São Bartolomeu Apóstolo, São Matias, Salomé
Isabel, São Mateus, São Lucas e São Marcos

 

Santo André Apóstolo, o "Pescador de Homens"

Apóstolo de Jesus Cristo nascido em Betsaida da Galiléia, também conhecido como o Afável foi escolhido para ser um dos Doze, e nas várias listas dos Apóstolos dadas no Novo Testamento é sempre citado entre os quatro mais importantess, junto com Pedro, João e Tiago, sendo seu nome mencionado explicitamente três vezes: por ocasião do discurso sobre a consumação dos tempos de Jesus, na primeira multiplicação dos pães e dos peixes e quando, juntamente com Filipe, apresentou ao mestre alguns gentios. Também pescador em Cafarnaum, foi o primeiro a receber de Cristo o título de Pescador de Homens e, portanto, o primeiro a recrutar novos discípulos para o Mestre.

Filho de Jonas tornou-se discípulo do João Batista, cujo testemunho o levou juntamente com João Evangelista a seguirem Jesus e convencer seu irmão mais velho, Simão Pedro a seguí-los. Desde aquele momento os dois irmãos tornaram-se discípulos do Senhor e deixaram tudo para seguí-lo. No começo da vida pública de Jesus ocuparam a mesma casa em Cafarnaum. Segundo as Escrituras esteve sempre próximo ao mestre durante sua vida pública. Estava presente na Última Ceia, viu o Senhor Ressuscitado, testemunhou a Ascensão, recebeu graças e dons no primeiro Pentecostes e ajudou, entre grandes ameaças e perseguições, a estabelecer a Fé na Palestina, passando provavelmente por Cítia, Épiro, Acaia e Hélade. Para Nicéforo ele pregou na Capadócia, Galácia e Bitínia, e esteve em Bizâncio, onde determinou a fundação da Igreja local e apontou São Eustáquio como primeiro bispo. Finalmente esteve na Trácia, Macedônia, Tessália e Acaia.

Foi na Grécia, segundo a tradição, durante o reinado de Trajano, que foi crucificado em Patros da Acaia, cidade na qual havia sido eleito bispo, por ordem do procônsul romano Egéias. Atado, não pregado, a uma cruz em forma de X, que ficou conhecida como a cruz de Santo André, embora que a evidência generalizada deste tipo de martírio não seja anterior ao século catorze. Suas relíquias foram transferidas de Patros para Constantinopla (356) e depositadas na igreja dos Apóstolos (357), tornando-se padroeiro desta cidade. Quando Constantinopla foi invadida pelos franceses no início do século treze, o Cardeal Pedro de Cápua trouxe as relíquias à Itália e as colocou na catedral de Amalfi. Anos mais tarde, decidiram levar seus restos mortais para a Escócia, onde fora escolhido padroeiro, mas o navio que os transportava naufragou em uma baía que, por esta ocorrência, passou a ser denominada de Baía de Santo André. É honrado como padroeiro da Rússia e Escócia e no calendário católico é comemorado no dia 30 de novembro, data de seu martírio.

 

 

São Leão Magno (Papa e Doutor da Igreja)

São Leão Magno nasceu em Toscana no fim do século IV, foi educado em Roma, de onde era também sua ascendência. Jovem ainda, agregou-se ao clero, recebendo as ordens menores e o diaconato. Foi conselheiro sucessivamente dos papas Celestino I (422-432) e Xisto III (432-440) e foi muito respeitado como teólogo e diplomata. Participou de grandes problemas da Igreja do seu tempo e pode travar contato pessoal e por cartas com grandes personagens como Santo Agostinho, São Cirilo de Alexandria e São João Cassiano, que o descrevia como "ornamento da Igreja e do divino ministério". 

Quando morreu o papa Xisto III ele foi eleito seu sucessor; tinha entre 40 e 50 anos de idade. Recebeu a consagração episcopal no dia 29 de setembro de 440, quando fez uma alocução repleta de profunda humildade e confiança na graça de Deus.

São Leão Magno tinha uma estima muito grande pela função do papa. Em vários Sermões mostra claro que é Pedro quem continua no leme da Igreja, na pessoa dos seus sucessores, aos quais compete um ministério sagrado de vigilância universal para que a fé que o Senhor legou aos Apóstolos não seja corrompida. Não temos muitas noticias biográficas dele. Mas as suas atitudes, rigidamente sacerdotais, transparecem nos 96 Sermões e 173 Cartas que chegaram até nós.

De modo especial as homilias nos mostram o Papa, um dos maiores da história da Igreja, paternalmente dedicado ao bem espiritual dos seus filhos, aos quais fala com linguagem acessível, traduzindo o seu pensamento em formas fáceis para a prática da vida cristã. Participou ativamente na elaboração dogmática sobre o grave problema tratado no Concílio de Calcedônia, convocado pelo imperador do Oriente para a condenação da heresia chamada monofisismo, segundo a qual em Cristo haveria apenas a natureza divina, mas não a humana. Nos seus Sermões S.Leão defende vivamente a única pessoa de Cristo, mas as suas duas naturezas. A epistola dogmática a Flaviano, lida pelos delegados romanos do Concílio, forneceu o sentido e as fórmulas da definição conciliar, criando assim uma efetiva unidade e solidariedade com a sede de Roma.

Leão foi o primeiro Papa que recebeu o apelido de Magno ( grande ), não só pelas qualidades literárias e pela firmeza com que sustentou o decadente império do Ocidente, mas pela estabilidade dogmática que transparece nos seus escritos e nas orações litúrgicas por ele compostas. Em sua atuação no plano político, a História registrou e imortalizou duas intervenções de São Leão, respectivamente junto a Átila, rei dos Hunos, em 452, e junto a Genserico, em 455. Átila, cognominado "O flagelo de Deus", investia contra o Império, aproximando-se de Roma, sendo barrado pelo Papa. A outra intervenção foi quando Genserico, lider dos Vândalos, provenientes do Sul, ocupara Roma, ameaçando arrasá-la. Coube ao próprio São Leão a iniciativa de negociar com Genserico, e dele obter que a cidade não fosse incendiada nem seus habitantes torturados. São Leão morreu a 10 de novembro de 461, sendo sepultado no Átrio da Basílica de São Pedro. Sua festa litúrgica é celebrada pela igreja no dia 10 de novembro.

 

 

Santa Isabel da Hungria – comemorada em 17 de novembro

De estirpe real, pois foi filha de André e Gertrudes, reis da Hungria, nasceu em 1207 e recebeu no baptismo o nome de Isabel (Elisabeth), o qual significa ‘casa de Deus’. Aos quatro anos de idade viaja para a Alemanha onde crescerá juntamente com a família do seu noivo, Luís, príncipe da Turíngia e sucessor do rei da Turíngia, Hermano.

Dada a sua vida simples, piedosa e desligada das pompas da corte, concluíram que a menina não seria uma boa companheira para Luís. E por isso perseguiram-na e maltrataram-na, dentro e fora do palácio.

Luís, porém, era um cristão da fibra do pai. Logo percebeu o grande valor de Isabel. Não se impressionava com a pressão dos príncipes e tratou de se casar o quanto antes. O que aconteceu em 1221.

A Santa não recuava diante de nenhuma obra de caridade, por mais penosas que fossem as situações, e isso em grau heróico! Um dia, Luís surpreendeu-a com o avental repleto de alimentos para os pobres. Ela tentou esconder... Mas ele, delicadamente, insistiu e... milagre! Viu somente rosas brancas e vermelhas, em pleno Inverno. Feliz, guardou uma delas.

A sua vida de soberana não era fácil e frequentemente tinha que acompanhar o marido em longas e duras cavalgadas. Além disso tinha o cuidado dos filhos: Hermano, nascido em 1222; Sofia em de 1224 e Gertrudes em 1227.

Estava grávida de Gertrudes, quando descobriu que seu marido se comprometera com o Imperador Frederico II a seguir para a guerra das Cruzadas para libertar Jerusalém. Nova renúncia duríssima! E mais: antes mesmo de sair da Itália, o duque morre de febre, em 1227! Ela recebe a notícia ao dar à luz a menina.

Quando Luís ainda vivia, ele e Isabel receberam em Eisenach alguns dos primeiros franciscanos que chegavam à Alemanha por ordem do próprio São Francisco. Foi-lhes dado um conventinho. Assim, a Santa passou a conhecer o Poverello de Assis e este a ter frequentes notícias dela. Tornou-se mesmo membro da Família Franciscana, ingressando na Ordem Terceira que Francisco fundara para leigos solteiros e casados e sacerdotes seculares. Era, pois, mais que amiga dos frades. Chegou a receber de presente o manto do próprio São Francisco!

Morto o marido, os cunhados tramaram cruéis calúnias contra ela e expulsaram-na do castelo de Wartburg. E de tal forma apavoraram os habitantes da região, que ninguém teve coragem de acolher a pobre, com os pequeninos, em pleno Inverno. Duas servas fiéis acompanharam-na, Isentrudes e Guda.

De volta ao Palácio quando chegaram os restos mortais de Luís, Isabel passou a morar no castelo, mas vestida simplesmente e de preto, totalmente afastada das festas da corte. Com toda a naturalidade, voltou a dedicar-se aos pobres. Todavia, lá dentro dela o Senhor chamava-a para se doar ainda mais. Mandou construir um conventinho para os franciscanos em Marburg e lá foi morar com as suas servas fiéis. Compreendeu que tinha de resguardar os direitos dos filhos. Com grande dor, confiou os dois mais velhos para a vida da corte. Hermano era o herdeiro legítimo de Luís. A mais novinha foi entregue a um Mosteiro de Contemplativas, e acabou sendo Santa Gertrudes! Assim, livre de tudo e de todos, Isabel e suas companheiras professaram publicamente na Ordem Franciscana Secular e, revestidas de grosseira veste, passaram a viver em comunidade religiosa. O rei André mandou chamá-las, mas ela respondeu que estava de facto feliz. Por ordem do confessor, conservou algumas rendas, as quais reverteram para os pobres e sofredores.

Construiu um abrigo para as crianças órfãs, sobretudo defeituosas, como também hospícios para os mais pobres e abandonados. Naquele meio, ela sentia-se de facto rainha, mãe, irmã. Isso no mais puro amor a Cristo. No atendimento aos pobres, procurava ser criteriosa. Houve época, ainda no palácio, em que preferia distribuir alimentos para 900 pobres diariamente, em vez de lhes dar maior quantia mensalmente. É que eles não sabiam administrar. Recomendava sempre que trabalhassem e procurava criar condições para isso. Esforçava-se para que despertassem para a dignidade pessoal, como convém a cristãos. E são inúmeros os seus milagres em favor dos pobres!

De há muito que Isabel, repleta de Deus, era mais do céu do que da terra. A oração a arrebatava cada vez mais. As suas servas testemunharam que, nos últimos meses de vida, frequentemente uma luz celestial a envolvia. Assim chegou serena e plena de esperança à hora decisiva da passagem para o Pai. Recebeu com grande piedade o sacramento dos enfermos. Quando o seu confessor lhe perguntou se tinha algo a dispor sobre a herança, respondeu tranquila: "Minha herança é Jesus Cristo!" E assim nasceu para o céu! Era 17 de Novembro de 1231.

Sete anos depois, o Papa Gregório IX, de acordo com o Conselho dos Cardeais, canonizou solenemente Isabel. Foi em Perusa, no mesmo lugar da canonização de São Francisco, a 26 de Maio de 1235, Pentecostes. Mais tarde foi declarada Padroeira dos Irmãos da Ordem Franciscana Secular.

 

 

Santa Cecília - dia 22 de novembro

Santa Cecília é uma santa cristã, padroeira dos músicos pois quando ela estava morrendo, ela cantou a Deus. Não se tem muitas informações sobre a sua vida. É provável que,tenha sido martirizada entre 176 e 180, sob o império de Marco Aurélio.

Segundo este relato, Cecília seria da "nobre família romana dos Metelos, filha de senador romano e cristã desde a infância". Os pais de Cecília, "sem que a filha soubesse, prometeram-na em casamento a um jovem patrício romano, chamado Valeriano". Se bem que tivesse alegado os motivos que a levavam a não aceitar este contrato, a vontade dos pais se impôs de maneira a tornar-lhe inútil qualquer resistência. 

Assim se marcaria o dia do casamento e tudo estava preparado para a grande cerimônia. Da alegria geral que estampava nos rostos de todos, só Cecília,fazia exceção. A túnica dourada e alvejante peplo que vestia não deixavam adivinhar que por baixo existia o cilício, e no coração lhe reinasse a tristeza.

Estando só com o noivo, disse-lhe, Cecília com toda a amabilidade e não menos firmeza: “Valeriano, acho-me sob a proteção direta de um Anjo que me defende e guarda minha virgindade. Não queiras, portanto, fazer coisa alguma contra mim, o que provocaria a ira de Deus contra ti”. A estas palavras, incompreensíveis para um pagão, Cecília fez seguir a declaração de ser cristã e obrigada por um voto que tinha feito a Deus de guardar a pureza virginal.

Disse-lhe mais: que a fidelidade ao voto trazia a bênção, a violação, porém, o castigo de Deus. Valeriano,ficou "vivamente impressionado" com as declarações da noiva, respeitou-lhe a virgindade, converteu-se e recebeu o batismo naquela mesma noite. Valeriano relatou ao irmão Tibúrcio o que tinha se passado e conseguiu que também ele se tornasse cristão.

Turcius Almachius, prefeito de Roma, "teve conhecimento da conversão do dois irmãos. Citou-os perante o tribunal e exigiu peremptoriamente que abandonassem, sob pena de morte, a religião que tinham abraçado. Diante da recusa formal, foram condenados à morte e decapitados". Também Cecília, " teve de comparecer na presença do juiz. Antes de mais nada, foi intimada a revelar onde se achavam escondidos os tesouros dos dois sentenciados. Cecília respondeu-lhe que os sabia bem guardados, sem deixar perceber ao tirano que já tinham achado o destino nas mãos dos pobres. Almachius, mais tarde, cientificado deste fato, enfureceu-se e ordenou que Cecília fosse levada ao templo e obrigada a render homenagens aos deuses. De fato foi conduzida ao lugar determinado, mas com tanta convicção falou aos soldados da beleza da religião de Cristo que estes se declararam a seu favor, e prometeram abandonar o culto dos deuses."

Almachius, "vendo novamente frustrado seu estratagema, deu ordem para que Cecília fosse trancada na instalação balneária do seu próprio palacete e asfixiada pelos vapores d’água. Cecília teria sido então protegida milagrosamente, e embora a temperatura tivesse sido elevada a ponto de tornar-se intolerável, ela nada sofreu". Segundo outros mitos, a Santa "foi metida em um banho de água fervente do qual teria saído ilesa".

Almachius recorreu então à pena capital." Três golpes vibrou o algoz sem conseguir separar a cabeça do tronco. Cecília, mortalmente ferida, caiu por terra e ficou três dias nesta posição. Aos cristãos que a vinham visitar dava bons e caridosos conselhos. Ao Papa entregara todos os bens, com o pedido de distribuí-los entre os pobres. Outro pedido fora o de transformar a sua casa em igreja, o que se fez logo depois de sua morte". Foi enterrada na Catacumba de São Calisto..

As diversas invasões dos godos e lombardos fizeram com que os Papas resolvessem a transladação de muitas relíquias de santos para igrejas de Roma. O corpo de Santa Cecília ficou muito tempo escondido, sem que lhe soubessem o jazigo.

Uma aparição da Santa ao Papa Pascoal I (817-824) trouxe luz sobre este ponto. Achou-se o caixão de cipreste que guardava as relíquias. O corpo, foi "encontrado intacto e na mesma posição em que tinha sido enterrado". O esquife foi "achado em um ataúde de mármore e depositado no altar de Santa Cecília". Ao lado da Santa acharam seu repouso os corpos de Valeriano, Tibúrcio e Máximo.

Em 1599, por ordem do Cardeal Sfondrati, foi aberto o túmulo de Santa Cecília e o corpo encontrado ainda na mesma posição descrita pelo papa Pascoal. O escultor Stefano Maderno que assim o viu, reproduziu em finíssimo mármore, em tamanho natural, a sua imagem.

A Igreja ocidental, como a oriental, têm grande veneração pela Mártir, cujo nome figura no cânon da Missa. O ofício de sua festa traz como antífona um tópico das atas do martírio de Santa Cecília, as quais afirmam que a Santa, nos festejos do casamento, ouvindo o som dos instrumentos musicais, teria elevado o coração a Deus nestas piedosas aspirações: “Senhor, guardai sem mancha meu corpo e minha alma, para que não seja confundida”. Desde o século XV, Santa Cecília é considerada padroeira da musica sacra. Sua festa é celebrada no dia 22 de novembro, dia da Música e dos Músicos.

 

São Jerônimo

Comemorado no dia 30 de Setembro, são Jerônimo, Doutor da igreja, e um dos maiores especialistas em bíblias de sua época.
Ele nasceu em Stridonium perto de Aquiléia, Itália e estudou em Roma. Foi batizado na idade de 18 anos, mas foi criado desde pequeno como cristão .Em 374 foi para a Antiópia e teve um visão em que Cristo o admoestava dizendo:
"Ciceronianus es, non Christianus" "Você é um Cicerone e não um Cristão" uma condenação da preferencia de Jerônimo a literatura romana e não aos escritos cristãos. Ele foi então para Chalcis, no deserto da Síria e ficou lá por quatro anos, aprendendo hebreu e os escritos de São Paulo de Tebas. um escolástico.
Padroeiro dos bibliotecários e das secretárias. 

Após sua ordenação ele viveu em Constantinopla, hoje Istambul, estudando sob São Gregório Nazaianzus.

Retornando a Roma ele chamou a atenção do Papa Damascus e serviu com secretario papal tornando-se uma figura muito popular até a morte de Damascus. Depois foi para Belém onde ficou lá com Santa Paula, São Eustáquio e outros, pregando na Palestina e no Egito. São Jerônimo devotou a sua via aos propósitos escolares traduzindo Sagradas Escrituras, revisando versões em Latin do Novo testamento principalmente a tradução da bíblia do grego para o Latin chamada "Vulgate ", na qual ficou 15 anos (teria sido uma sugestão do Papa Damascus). De 405 até a sua morte ele continuou a escrever e atacar a heresia Pelagiana. Seus outros trabalhos incluem :

1)"Uma Continuação da Historia Eclesiástica ".

2)"De Viris Illustribus" (uma apresentação dos maiores escritores dos anos anteriores).

3)Um grande número de cartas ; uma tradução de Origines e a tradução e comentários de uma vasta variedade de tratados controvertidos.

Ele morreu em 30 de setembro após longa doença.

Ele é honrado com sendo um dos primeiros estudiosos do início da Igreja e um gênio que deu uma grande contribuição para a área escolástica bíblica.

Na arte litúrgica ele mostrado as vezes como um cardeal atendido por um leão ou ainda como um eremita. Outras vezes como como um escolástico. Padroeiro dos bibliotecários e das secretárias.

 

 

São Vicente de Paulo

São Vicente de Paulo fundador dos Lazaristas e das Irmãs de Caridade, é um dos grandes santos franceses. Nasceu em 1580 em Ranquine, Gasconha, França. Após estudar com os franciscanos em Dax, ele foi ordenado em 1600 e foi para a Universidade de Toulouse. Cinco anos mais tarde ele estava viajando de barco quando o mesmo foi capturado por piratas e ele foi tomado como escravo. Após dois anos na escravidão ele escapou chegando a Roma e depois alcançou Paris. Ali ele ficou sob a direção influencia do Cardeal Pierre de Berulle.

Vicente se dedicou completamente a caridade e se distinguiu na paroquia de Clichy. Ele fundou confrarias de homens e mulheres que ajudavam os pobres e grande número de doentes. 

Essencial para os seus esforços era a doação feita pelos ricos nobres que tornavam possível a fundação de hospitais e orfanatos. Em 1625 Vicente fundou a Confraria das Missões, chamada de Lazaristas ou Vicentinos, uma sociedade de padres com treinamento para pregar junto aos pobres.

Em 1633 com Santa Luiza de Marilac (festa 28 de abril) ele fundou a Ordem das Irmãs de Caridade, a primeira congregação de freiras que podia cuidar de pobres e doentes fora do convento. Durante a sua vida, os Lazaristas aumentaram muito em número e espalharam-se pelo mundo inteiro. Em 1643 Vicente foi nomeado para o conselho do "Consciente da Rainha Ana da Áustria", regente do Rei Luiz XIV e ele foi responsável para organizar uma trégua durante a guerra de Fronde que varreu a França de 1648 a 1653.

Após longos anos de serviços aos pobres Vicente ficou sendo a consciência do reino, mas ele tinha a oposição dos ricos, que facilmente se esqueciam dos pobres. Ele morreu em Paris em 27 de setembro de 1660 e foi canonizado pelo papa Clemente VII em 1737. Corpo incorrupto, até hoje.
Sua festa é celebrada no dia 27 de setembro.

 

 

São Cosme e Damião

Cosme e Damiao foram dois irmãos e médicos, martirizados,eram chamados de Anaryroi ou seja "os sem dinheiro" por causa dos seus serviços de caridade. Ele estudaram medicina na Síria e ficaram famosos pelas sua habilidades, as quais eles usavam para curar pessoas sem cobrar nenhuma taxa ou consulta. Algumas das suas curas são tidas como milagrosas. Durante a perseguição aos cristão, os irmãos foram presos e levados a frente de Lysias, governador de Cilicia em Cyrrhus( moderna Turquia). Eles foram torturados e por fim decapitados.

Diz a tradição que eles, milagrosamente não sentiam as torturas com fogo, água, óleo fervendo, ou a roda por isso foram finalmente decapitados.

As relíquias de Cosme e Damião, mais tarde foram levadas para Roma.

Na Idade Média muitas lendas as mais lindas, sempre os envolveram. Na arte litúrgica da igreja eles são mostrados como médicos, segurando instrumentos cirúrgicos. Eles são os patronos dos médicos, junto com São Lucas, e padroeiros de Florença, dos químicos e farmacêuticos. Alguns escolares afirmam eles eram gêmeos e com isso eles são considerados tambem padroeiros dos gemeos.

São muito venerados na Grécia, Rússia e na Igreja Ortodoxa.
A sua festa é celebrada no dia 26 de setembro.

 

São Matheus, apóstolo

São Matheus foi um apóstolo chamado Levi ou Matheus de Levite.
Ele provavelmente nasceu na Galilea e trabalhou como coletor de impostos em Capharnaum quando Cristo o chamou para o seguir.
São Matheus é o autor do primeiro evangelho escrito entre os anos 60 e 90.Escrito provavelmente em Hebraico ou em Aramaico na sua forma original. Alguns escolares acham que provavelmente São Matheus estava na Antiópia, Síria quando escreveu o Evangelho.

Ele pregava em Jerusalem e depois foi para a Etiópia. São Matheus no seu Evangelho, provê um retrato extremamente bem feito de Cristo, inclusive sua genealogia, ministério, paixão, e ressurreição.
Todo o seu evangelho é destinado a provar o verdadeiro reconhecimento de que Cristo era o Messias. São Matheus é representado no arte litúrgica por um anjo segurando uma lança, uma moeda e uma pena.
Sua festa é celebrada no dia 21 de setembro.

Ele é o padroeiro dos contadores, oficiais alfandegários, fiscais financeiros, conselheiros fiscais, operadores em bolsa de valores,ecomistas, Salermo-Itália, guardas de segurança de valores, coletores de impostos e cobradores de impostos.

 

São João Crisóstomo

Nasceu em 347 na Antióquia. Ele estudou leis com o orador pagão Libasnius e teologia com Deodoro de Tarsus, diretor da respeitada Escola de Alexandria. Embora desejando ser um monge, no início, não pode entrar para a vida monástica por que sua mãe Anthusa tinha um condição física péssima e ele mesmo não tinha boa saúde, um pouco devido a vida ascética que levou como eremita de 373 a 381.
Foi um diácono em 381 e foi ordenado em 386 pelo Bispo Flavian da Antióquia. Sua magnifica oratória fez com que ganhasse o apelido de Chrysostom ("boca de ouro ") e obteve a reputação de ser o maior orador de sua época. Seu sermões iam do evangelho até a conversão pessoal e a reforma moral da sociedade. 

Ele fez 88 sermões apenas sobre o Evangelho de São João. Oferecido a Sé de Constantinopla ele declinou e depois aceitou e foi sagrado Arcebispo de Constantinopla em 389. Em pouco tempo estava arrependido, pois a corte imperial Bizantina estava impregnada com intrigas e a aristocracia não queria suas reformas e a Imperadora Eudóxia considerava muitos dos seus sermões como um ataque pessoal ao seu governo. Havia ainda para inquietar mais a corte, a enorme popularidade de São João com o povo. Em 403 os esquemas contra João culminaram com a sua condenação no Sínodo de Oak no qual João foi deposto de seu posto.

No ano seguinte João conseguiu sua reconciliação com a corte, mas em junho de 404 ele foi exilado novamente. Enviado para Isauria nas Montanhas de Taurus, uma parte remota da Ásia Menor (hoje Turquia) João enviou cartas implorando a ajuda do seus amigos na Igreja. O Papa Inocêncio I (401-407) tentou sucessivamente a sua libertação. Como João sobreviveu como preso, mais do que se esperava, ele foi transferido para Pontus e forçado a uma longa jornada sob um terrível temporal. Ele morreu em 14 de setembro de 407. João é honrado como o Doutor da Eucaristia pelos seus eloqüentes escritos sobre a Real Presença de Cristo Na Eucaristia. Diz a tradição que ele teria testemunhado a Real Presença de Cristo na Eucaristia. De fato, é relatado que ele e toda a congregação que estava dentro da Igreja, certo dia, tiveram o privilégio de ver a forma do Corpo de Jesus em uma de suas consagrações.

Ele revisou a Liturgia grega e foi indicado Pai da Igreja Grega e proclamado Doutor da Igreja em 451.
Padroeiro de Constantinopla, Istambul, dos oradores e pregadores e dos fonoaudiólogos e outros que trabalham com os problemas da fala.
Sua festa e celebrada no dia 13 de setembro

 

São Gregório, O Magno

No dia 03 de setembro comemoramos São Gregório Magno.
O papa Gregório o magno ou Gregório, o grande, nasceu em Roma filho de Gordiaus e de Santa Silvia, ele começou a sua promissora carreira secular como advogado e recebeu a indicação para prefeito da cidade e foi um bom administrador. Mas logo abandonou a vida secular e abraçou a vida religiosa, convertendo sua mansão na Colina de Caelian no monastério de Santo André, e fundando seis outros nas terras de sua família na Sicília. Entrou para um monastério beneditino e foi ordenado sacerdote pelo papa Pelagius II (579-590) e em 578 ele foi nomeado Núncio Apostólico. Em 579 ele representou o Papa em Constantinopla (hoje Istambul-Turquia) e ficou por lá até 586.

Retornando a Roma, ele serviu como Abade do monastério de Santo André até 590 quando Pelagius II veio a falecer, e Gregóriofoi unanimemente eleito seu sucessor, sendo consagrado em 3 de setembro de 590 a despeito de sua relutância em aceitar os grande encargos do papado na época.As obras do seu pontificado garantiram o seu lugar na historia e ele é considerado o fundador do papado medieval. Havia uma fronteira separando os monges dos padres na época e os bispos mandavam nos monges e nos monastérios interferindo as vezes nas regras das varias ordens, provocando certo mal estar.

Gregório conduziu uma vasta reforma do clero e dos negócios da Igreja e estabeleceu regras para a pratica religiosa no livro de regras pastorais "Liber Regulae Pastoralis" e promoveu o monasticismo, (proibiu os bispos de interferirem nos monastérios e deixou os Abades como responsáveis e respondendo diretamente ao papa). Nomeou vários monges para a Santa Sé e enviou Santo Agostinho e outros 40 outros monges do seu Monteiro em Caelian para a Inglaterra onde eles iniciaram a conversão dos ingleses para o cristianismo. A experiência como prefeito de Roma deu a ele uma visão de administrador que o papas anteriores não dispunham. Diz a tradição que ele teria aconselhado a Santo Agostinho a não destruir os tempos pagãos e sim destruir somente os ídolos, convertendo os templos em capelas e igrejas, e ainda aproveitando os dias de festa, para comemorar as festas cristãs. Isto minimizou a resistência dos pagãos ao cristianismo e esta técnica foi utilizada de novo, séculos depois, na conversão dos índios nas América. Ele é tido também como o criador de uma forma musical de adoração chamada de Canto Gregoriano e ele ainda contribuiu com varias orações conhecidas como o "Sacramentário Gregoriano". Como Roma, era um Estado com varias crises políticas - devido ao avanço dos Lombardes e uma virtual desintegração do governo civil, Gregório foi forçado a tomar a frente de vários postos de comando e ações seculares. Ele resgatou vários cativos dos Lombardes e concluiu um acordo com os Lombardes para acabar com o cerco a Roma e ignorou o governador Bizantino da Itália, ao mesmo tempo que assegurou ao imperador Bizantino o reconhecimento da sua soberania imperial.

Ele também reconstruiu Roma destruída por vários desastres naturais e lançou uma serie de programas de caridade para alimentar uma grande porção da população faminta, em Roma e em toda a Itália. Este foi o projeto ao qual dava a maior importância e ele certa vez chorou abertamente ao saber que vários haviam morrido de fome em Roma.

Diz ainda a tradição que ele tinha o costume de, em certas noites, convidar para jantar e conversar 12 pobres, como se fossem os doze apóstolos. Certo dia ele notou que havia 13 e não doze, e chamando a cozinheira perguntou quem era ele e ela respondeu após conta-los: " Santo Padre, o senhor esta equivocado, só estão aqui doze pessoas". Mas Gregório ainda contava treze, assim, após o jantar ele chamou o décimo terceiro convidado e perguntou:

"Quem é você" e o convidado respondeu: "Eu sou um pobre homem que você acaba de saciar e através de mim obterá o que pedir de Deus". Só então Gregório percebeu que havia jantado com o Senhor Jesus.
Foi um escritor notável e autor de vários tratados, inclusive do famoso "Diálogos" e do "Liber Regulae Pastoralis" (onde enumerou os vários deveres de um bispo) e uma coleção com a vida de vários santos, visões e profecias. Escreveu ainda "Magna Moralis", um trabalho exegeta do Livro de Jó, e varias homilias sobre os evangelhos, e 850 cartas pastorais. Gregório era um santo e humilde pontífice. Certa vez falando de si próprio ele se descreveu como "Servus Servorum Dei" (Servo dos servos de Deus). Ele faleceu em 12 de março de 604 em Roma, e foi canonizado por aclamação. Ele e o Papa Leão I, foram os dois únicos papas a serem honrado com o nome "o magno".

Na arte litúrgica da Igreja ele é mostrado como papa carregando uma cruz com barras. Uma pomba as vezes é mostrada com ele e as vezes ele é mostrado em sua escrivaninha ou no altar.
Sua festa é celebrada no dia 3 de setembro
Abaixo uma das mais famosas frases de São Gregório, o magno:
"A bíblia é um espelho que reflete a nossa mente. Nela vemos nossa face interior. Das escrituras aprendemos nossas belezas e deformidades espirituais. E ali também descobrimos o progresso que estamos fazendo, e quão longe estamos da perfeição."

 

São Francisco de Assis

São Francisco nasceu em Assis, na Itália, no ano de 1182. Seu pai era um rico comerciante de tecidos, o que permitiu a Francisco uma infância e juventude de fartura e a possibilidade de continuar o comércio, como era desejo de seu pai.
Quando jovem, Francisco sempre procurou a realização de grandes ideais, destacando-se junto aos amigos com muito entusiasmo. O dinheiro do pai ajudava em seus projetos - vestia as melhores roupas, dispunha de vinho e comida para promover festas entre amigos. Mas ainda assim buscava uma causa, um motivo forte que pudesse defender. [Idealistas como todos jovens; insatisfação pessoal]

Devido às desigualdades sociais ocorreu uma revolta do povo contra os nobres da cidade de Assis. Francisco, assim como muitos jovens da sua época tomaram partido na causa social do povo. Em socorro dos nobres, Perugia, uma cidade vizinha mandou um exercito bem preparado para defender os nobres. Na luta sangrenta, Francisco foi preso (assim como os companheiros jovens de Assis) e dessa forma, permaneceu no cárcere por um ano. Seu pai pagou pela sua libertação
De volta a Assis, doente, enfraquecido e sem projeto de vida, pouco tempo depois, Francisco se empenhou em outro ideal - a igreja buscava voluntários para as suas lutas em defesa dos territórios. Francisco, inspirado nas histórias de heróis e valentes cavaleiros, se inscreveu e se preparou com a melhor armadura de cavaleiro. [procura por Ideais de justiça]

Após a partida, na primeira noite em que o exército se reuniu junto à cidade de Espoleto, Francisco, novamente com febre e doente ouviu a Deus que lhe perguntou - "Francisco, a quem deves servir, ao Senhor ou ao servo? Ao Senhor respondeu Francisco! Então, por que trocas o Senhor pelo Servo? Francisco, compreendeu que deveria servir a Deus, abandonou o seu ideal de cavaleiro e retornou a Assis humilhado, recebendo as zombarias. [Despertar de sua vocação]

Francisco foi aos poucos se transformando. Passava muitas horas sozinho, buscava lugares isolados no campo e quando encontrava um mendigo, doava o que dispunha no momento. Aos poucos foi se habituando à oração. Na sua conversão, sofria as dúvidas e fraquezas humanas. Num momento difícil da sua vida, Francisco encontrou-se no caminho com um leproso, e diante do horror das feridas e do odor, pensou em fugir. Movido por um grande amor, venceu o obstáculo, voltou-se para o leproso, e o abraçou e beijou, reconhecendo nele um irmão. [Aprofundamento da sua vocação pela oração, e exercício da espiritualidade fraterna e do amor]

Numa ocasião também importante, achava-se em oração na Igreja de São Damião - uma capelinha quase destruída - e olhando o crucifixo e examinando as paredes caídas ao redor, compreendeu o pedido de Deus. "Francisco, reconstrói a minha Igreja!"
Para empreender o projeto de reconstruir a Igreja, Francisco retirou recursos do pai. Este, já enfurecido pelas atitudes de Francisco e prevendo o risco de perder o patrimônio nas mãos do filho maluco, abriu um processo perante o Bispo para deserdá-lo. Diante das acusações do pai, na frente do Bispo, e de todos, Francisco tirou as próprias vestes, e nu, as devolveu ao pai dizendo - "Daqui em diante tenho somente um pai, o pai nosso do céu! "
Francisco passou a reconstruir as igrejinhas caídas, com o seu próprio trabalho, assentando pedras, comendo do que lhe davam na mendicância da rua, e adotou como vestes trapos de eremita.

São Francisco passou a falar da vida de Evangelho nos lugares públicos de Assis. Falava e agia com tamanha fé, que o povo que antes o zombara, agora o ouve com respeito e admiração. E assim, o bom Deus, quis que São Francisco tivesse irmãos de conversão. Aos poucos suas palavras foram tocando os corações.

Quando o grupo chegou a 12 irmãos, São Francisco decidiu ir até Roma e pedir ao Papa autorização para viverem a forma mais pura do Evangelho, conforme o desejo e a escolha que fizeram. O Papa achou que seria muito duro para eles esse modo de vida, porém deu permissão e também autorizou que eles pudessem pregar. Durante esse período de visita, o Papa teve um sinal profético e reconheceu em Francisco, o homem que em seu sonho segurava a Igreja como uma coluna
Muitos outros Irmãos foram se juntando ao grupo, desejando viver conforme Francisco.

Muitos Cristãos ouvindo São Francisco, decidiram seguir o seu exemplo e ensinamento, alguns pediam conselhos, e São Francisco os orientava conforme o estado de vida de cada um.

São Francisco assistiu ao crescimento da Ordem, que se espalhou por diversas partes do mundo. Embora a velhice não tenha chegado, seu corpo frágil se debilitou, agravado por um problema nas vistas que o deixou quase cego. Em certos períodos São Francisco se isolava para orações e jejum. Numa dessas ocasião, num monte chamado Alverne, o bom Deus quis que ele tivesse igualmente as feridas da crucifixão. Com muita dor mas intensa alegria, por ter as marcas de Jesus no próprio corpo, São Francisco recebeu as feridas que se mantiveram vivas até o fim de sua vida, 2 anos depois.

Pouco antes de morrer, seu estado se agravou e ele teve que passar a noite numa choupana, sob condições de intenso frio. Pela manhã São Francisco cantava um cântico que compôs em louvor a Deus, e que chamava de Irmão o sol, as estrelas, a lua, a terra, o vento e todas as criaturas.

Numa choupana junto à Porciúncula, no anoitecer do dia 3 de outubro de 1226, São Francisco pede aos irmãos que o dispam e o coloquem nu no chão, sobre a terra. Recitando o Salmo 142, que os irmão acompanhavam lentamente, São Francisco morreu cantando.

Seu dia é comemorado em 04 de outubro.

 

São Tomé

Apostolo e mártir, mais conhecido como Tomé o Incrédulo e é um dos doze apóstolos e é citado nos 4 evangelhos embora o de São João é o mais detalhado nas epistolas envolvendo Tomé .Chamado por João Didymus, Grego para gêmeos, ele aparece em três momentos especiais. Primeiro quando se proclama pronto para morrer por Cristo ,dizendo no caminha para Bethany "Vamos morrer com ele"(João 11:16) Depois quando ele diz a Jesus: "Mestre nós não sabemos onde você está indo: como vamos saber o caminho?" E prontamente Jesus responde " Eu sou o caminho e a verdade e a vida. Ninguém chega ao Pai, exceto através de mim".

Finalmente, Tomé duvida dos seus companheiros discípulos quando eles dizem que ele haviam visto Jesus ressuscitado: "Se eu não ver as marcas dos pregos nas suas mãos e não colocar o meu dedo nas chagas das mãos e minha mão em seu lado ,eu não acreditarei (Lu 20:25)". Mas ele grita "Meu Senhor e meu Deus " quando fica face a face com o Senhor.

( Alguns estudiosos pensam que esta dúvida foi propositadamente sugerida por Deus, para que fosse possível alguém tocar nas chagas de Jesus, ficando assim sem a menor duvida, que Jesus havia ressuscitado. Este raciocínio ainda é confirmado, porque a frase "Vamos morrer com ele" foi dita quando os outros apóstolos não queriam que Jesus fosse ressuscitar Lázaro dos mortos e Tomé insistiu e foi o maior milagre de Jesus).

São Gregorio, o magno em uma de suas homilias diz claramente:
" O que vocês pensam quando São Tomé não acreditou e Ele voltou para ser visto, ouvido, tocado e acreditado!? Uma maravilhosa Providencia Divina visto que Tomé era o único ausente e tudo foi arranjado por Ele para que Tomé fosse ser a maravilha da misericórdia Divina aos descrentes e Tomé ao tocar as feridas, curou a grande ferida da descrença.".

Pouco é conhecido sobre sua vida posterior a morte de Jesus embora Euzébius da Cesárea confirmou na sua "Historia Eclesiástica" que Tomé pregou entre os Parthias no Leste. Esta assertiva confirma as varias lendas e tradições de São Tomé teria sido um missionário na Índia, onde ele é considerado o fundador dos Cristãos Malabares, perto de Madras, uma descrição a qual é prescrita nos "Atos de Tomé", escrito em Syriaco durante o terceiro século e influenciado os Agnósticos. Outros escritos atribuem a São Tomé o Evangelho de São Tomé , o Atleta , que outros consideram apócrifo. Suas relíquias estão supostamente guardadas em um santuário em Ortona, na Itália. Seus símbolos são a lança , o machado e o esquadro de carpinteiro.

Ele é padroeiro dos geólogos, geógrafos, geometristas, dos arquitetos, dos construtores e das pessoas em dúvida.

Sua festa é celebrada no dia 3 de julho.

 

Padre Pio de Pietrelcina

Padre Pio nasceu no pequeno comune de Pietrelcina, muito próximo à cidade de Benevento, em 25 de maio de 1887, um dos sete filhos de Grazio Forgione e Maria Giuseppa De Nunzio. Foi batizado no dia seguinte.

Ainda criança era muito assíduo com as coisas de Deus, tendo uma inigualável admiração por Nossa Senhora e o seu Filho Jesus, que os via constantemente devido a tanta familiaridade. Ainda pequenino havia se tornado amigo do seu anjo da Guarda a quem recorria muitas vezes para auxiliá-lo no seu trajeto nos caminhos do Evangelho. Conta a história que ele recomendava muitas vezes as pessoas a recorrerem ao seu anjo da guarda estreitando assim a intimidade dos fiés para com aquele que viria a ser o primeiro sacerdote da história da igreja a receber os estigmas do Cristo do Calvário.

Com quinze anos de idade entrou no noviciado em Morcone adotando o nome de "frei Pio"; concluído o ano de noviciado, formulou os votos simples em 1904; em 1907 formulou a profissão dos votos solenes. Freqüentou estudos clássicos e filosofia. Foi ordenado padre em 10 de agosto de 1910 no Duomo de Benevento.

Aos casos mais urgentes e complicados o frade de Pitrelcina dizia: "Estes só Nossa Senhora", tamanha era a sua confiança na sua maezinha do céu a quem ele tanto amava e queria obter suas virtudes.
Percebendo que a sua missão era de acolher em si o sofrimento do povo, recebe como confirmação do Cristo os sinais da Paixão em seu próprio corpo. Estava aí marcado em si mesmo a sua missão. Deus o queria para aliviar o sofrimento do seu povo. Entregando-se inteiramente ao Ministério da Confissão, buscava por este sacramento aliviar os sofrimentos atrozes do coração de seus fiés e libertá-los das garras do Demônio que era conhecido por ele como "barba azul". Torturado, tentado e testado muitas vezes por este, sabia muito da sua astúcia no seu afã em desviar os filhos de Deus do caminho da fé.
Percebendo que não somente deveria aliviar o sofrimento espiritual, recebeu de Deus a inspiração de Construir um grande hospital, o tão conhecido "Casa Alívio do Sofrimento", que viria a ser o referência em toda a Europa. Mesmo com o seu ministério sacerdotal vitimado por calúnias injustificáveis, não se arrefeceu o coração para com a Igreja por quem tinha grande apreço e admiração. Sabia muito bem distinguir de onde provinham as calúnias, sendo estas vindas por parte de alguns da Igreja, e não da Igreja mãe e mestra a quem ele tanto amava.

A pedido do Santo Padre, devido aos horrores provocados pela Segunda Guerra Mundial, cria os grupos de Oração, verdadeiras células catalizadoras do amor e da paz de Deus para serem dispenseiros de tais virtudes no mundo que sofria e angustiáva-se no vale tenebroso de lágrimas e sofrimentos.
Na ocasião do aniversário de 50 anos dos grupos de oração celebra-se uma Missa nesta intenção. Seria esta Missa o caminho do seu Calvário definitivo, onde entregaria a alma e o corpo ao seu grande apaixonado; a última vez que os seus filhos espirituais veriam o padre a quem tanto amavam. Era madrugada do dia 23 de setembro de 1968, no seu quarto conventual com o terço entre os dedos repetindo o nome de Jesus e Maria, descança em paz aquele que tinha abraçado a cruz do Cristo, fazendo desta a ponte de ligação entre a terra e o céu. Morte suave de quem havia completado a missão, de quem agora retornaria ao seio do Pai em quem tanto confiou. Hoje são muitas as pessoas que se juntaram a fileira dos seus devotos e filhos espirituais em vários grupos de oração que se espalharam pelo mundo. É o próprio padre Pio que diz:

"Ficarei na porta do Paraíso até o último dos meus filhos entrar"

 

> Ir a página 2

 

<< Voltar a Página Inicial

 

 

free counters