Ministérios Ordenados

 

Meus queridos leitores, na coluna anterior refletimos a Origem dos ministérios ordenados. A fundação histórica e teológica do sacerdócio ministerial ordenado.
Continuando a nossa reflexão. É evidente que o sacerdócio do povo santo de Deus é fato real que habilita para um culto autêntico. Esse culto, porém só tem valor e só é realizável graças à intervenção do único mediador, o Cristo, capaz de ligar o homem a Deus. Não existe culto cristão e mais ainda, não há relação com Deus sem a mediação de Cristo Rm 5,1 Ef 2,5-18 Hb 13,15-21. É necessária por isso a intervenção "ministros aptos de uma Aliança nova" 2Cor 3,6 que não são certamente mediadores, mas simples e mesmo assim indispensáveis "sacramentos" da mediação de Cristo. A unicidade da mediação de Cristo está, pois na origem do sacerdócio ministerial.

Ministerial por que de um lado está a serviço do sacerdócio de Cristo de quem é sacramento, do outro lado está a serviço do sacerdócio comum dos cristãos que insere na obra da mediação de Cristo e unifica na comunhão eclesial toda a Igreja. No começo os apóstolos não tiveram problemas particulares quanto a sacerdócio ministerial ou de determinadas ordenações. Pois a vida eclesial e a missão dos cristãos ainda se realizavam com base na palavra de Cristo, na sua vocação e no mandamento por ele proposto aos apóstolos e aos outros discípulos. O problema começa na segunda geração na de Lucas e de Paulo. Na verdade trata-se de estabelecer relação vital com Cristo que leva a participação pessoal com o fim de poder acolher o Espírito do Senhor e de anunciar a sua palavra de salvação com fidelidade indiscutível a mensagem original. 2Tm 1,6 .

Com base no modelo apostólico como vemos claramente pelas epistolas pastorais o sacerdócio "ordenado" concretiza a sua missão "com a fé e a caridade que estão em Cristo Jesus". E essa missão consiste principalmente em conservar, vivificando-o mediante contínua obra de atualização, "o bom deposito com o auxílio do Espírito Santo que habita em nós" 2Tm 1, 13-14.

Isso quer dizer que ela conserva e transmite, com o auxílio do Espírito que nela habita, o ensinamento At 2,42, o depósito precioso, as salutares palavras ouvidas da boca dos apóstolos 2Tm 1,13-14. Ela continua a ser ensinada, santificada e dirigida pelos Apóstolos, até a volta de Cristo, graças ao que a eles sucedem na missão pastoral: o colégio dos Bispos, "assistido pelos presbíteros, em união com o sucessor de Pedro, pastor supremo da Igreja" (AG 5).

A instituição do ministério ordenado corresponde a necessidade de prover ao zelo pastoral das Igrejas do futuro, quando elas não mais poderem contar com a obra e o prestígio dos apóstolos e de seus primeiros colaboradores. A consciência dessa necessidade é fundamentada no valor essencial da tradição considerada como indispensável a continuidade da transmissão, ao longo do tempo, da mensagem fundadora da Igreja que é a mensagem apostólica. Ministros de Cristo e a administrador dos mistérios de Deus 1Cor 4,1, o sacerdote do NT entra na escola dos apóstolos para viver uma particular sequela de Cristo que o torna disponível ao serviço da Palavra e da mesa At 20,11 10,16; 11,17-34 e a problemática que emerge em At 6,1-7 em dócil e responsável colaboração com os apóstolos At 15, 22 27. É difícil estabelecer qual era a tarefa especifica do ministério ordenado no NT e mais ainda se estava previsto um serviço litúrgico ou comunitário limitado apenas ao ministro. O próprio vocabulário varia e mostra dois pares de pessoas com funções sacerdotais: apóstolos-presbíteros At 15,2.4. 6.22ss 16,4 e epíscopos-diaconos Fl 1,1

Meu caro leitor, o ministério ordenado, na Igreja, é exercido na unidade das três funções: diaconal, presbiteral e episcopal. Cabe ao Ministério ordenado o anúncio do Evangelho, a presidência, a regulação dos carismas, a construção e edificação da unidade da Igreja Corpo do Cristo. Este ministério é exercido na Igreja por uma ordenação, no seguimento dos apóstolos, e exercido colegial mente. Assim, o presbítero é ordenado por um bispo e o bispo obrigatoriamente ordenado pelos bispos vizinhos de sua Igreja, expressando assim, a unidade do ministério ordenado. O bispo preside o presbitério, cujos membros são seus irmãos e colaboradores. É o que constatamos na oração consecratória da ordenação de presbíteros: "Sejam eles cooperadores zelosos da ordem episcopal para que as palavras do Evangelho, caindo nos corações humanos através de sua pregação, possam dar muitos frutos e chegar até os confins da terra com a graça do Espírito Santo". Rezemos por todos os vocacionados de Deus!

 

Irmã Francisca Romana da Costa SSpS

 

 

 

 

 

 

 

 

free counters