A flor da Honestidade

 

A honestidade e a desonestidade são tão antigas quanto a humanidade. Conta-se que na China, cerca de 250 anos antes de Cristo, um príncipe resolveu se casar e mandou chamar todas as moças do reino que quisessem ser suas pretendentes. Uma bela jovem muito pobre resolveu participar do desafio. Sua mãe ficou penalizada, pois a garota não tinha as vestes necessárias para competir com as outras, bem mais ricas e igualmente belas. Mas a jovem, que amava o príncipe, revelou que iria assim mesmo, pois os poucos momentos que passaria na presença de seu amado já seriam válidos. Chegou o esperado dia, e lá estava ela em meio a centenas de jovens, cada uma mais bela e bem vestida do que a outra. Entra o príncipe e lança o desafio:

- Todas vocês são realmente muito belas, mas apenas uma será a minha esposa. Vou fazer um teste. Cada qual receberá uma semente. Deverá cultivá-la cuidadosamente. Após dois meses teremos um novo encontro. Aquela que trouxer a flor mais bela será a minha esposa.

A jovem saiu com sua semente e colocou-a em um vaso, cuidou, regou, adubou ... e nada. Procurou ajuda, mas ninguém era capaz de fazer sair um embrião daquela semente. Passados dois meses, a jovem tomou seu vaso vazio e voltou com as outras jovens à presença do príncipe, conforme havia sido combinado. As suas amigas traziam flores maravilhosas, de todas as cores e tamanhos. Seria difícil para o príncipe escolher a mais bela. Ao entrar, o herdeiro do rei olhou para todo aquele maravilhoso jardim florido e seu olhar repousou sobre o vaso vazio de nossa amiga. Aproximou-se lentamente e disse:

- Esta será a minha esposa, pois foi a única que trouxe a flor da honestidade. Todas as sementes que distribuí eram estéreis.

E foram felizes para sempre!

 

(Extraído do livro: “As sete virtudes do líder amoroso” Pe. Joãozinho, P. 103-104)

 

Para refletir:

 

Amigo leitor, você também é uma pessoa honesta à semelhança desta bela jovem da história?

Você é fiel com o dízimo na sua Igreja ?

Você é honesto(a) e sincero(a) no seu ambiente de trabalho?

Você é capaz de advertir a moça do supermercado que lhe deu o troco errado?

Procuraria o garçom para lhe explicar que uma das pizzas não apareceu na conta?

Procuraria a polícia para denunciar atitudes de desonestidades, roubos, imoralidades e crimes que você presenciou? Ou você tem medo de ser justo, de ser honesto?

 

Se suas respostas foram positivas, então você está no caminho que conduz à Deus.

Mediante esta belíssima história e reflexão feita podemos concluir que a verdade vale mais do que as aparências. Invista você também na qualidade real de sua personalidade. Seja uma pessoa de caráter. Seja sincero e transparente. Fuja da mentira. Cultive a honestidade como uma flor, mesmo sabendo que às vezes a mentira pode ser mais lucrativa. Não se deixe iludir pela idéia de que a aparência vale mais. E lembrem-se sempre do que disse Jesus: Conhecereis a verdade e a verdade vos libertara”.

 

Colaboração: Pe. Reinaldo

 

 

 

 

 

 

<< Voltar

 

 

free counters